#PraCegoVer: Alunos jogando xadrez gigante (Foto: Luis Gava/PMC)

Misturando informação, aprendizado e diversão a Feira Multidisciplinar reúne mais de 600 alunos e 30 professores do 6º ao 9º ano da escola EMEF Antônia Antunes Arouca, localizada no bairro Massaguaçu, região Norte de Caraguatatuba.

As atividades, relacionadas a todas as disciplinas da escola, vão desde xadrez até apresentações de dança, todas abertas para a comunidade, sendo de grande importância para o aprendizado, a autonomia e o desenvolvimento do trabalho em equipe dos alunos, segundo a Coordenadora Pedagógica Mariana Cristina Mereu.

A escola foi completamente transformada. Logo na entrada do pátio foram apresentadas danças com as temáticas Copa do Mundo, Hip-Hop e capoeira. Salas de aula foram caracterizadas com as regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, inserindo o viés cultural, histórico, econômico e social de cada região além de comidas típicas, música e autores literários que eram apresentados. Outras salas ainda abriram espaço para as disciplinas de matemática, com robôs de lego e figuras geométricas de palito, além de uma apresentação da história do cinema baseado no livro de Hugo Cabrê.

Na cantina foram oferecidas receitas com ingredientes reutilizáveis como bolo de casca de maçã e brigadeiro de casca de banana preparadas nas aulas de nutrição ao lado de experimentos científicos elaborados pelos alunos. Os corredores da escola ficou repleto de cartazes e jogos como xadrez e até mesmo RPG (do inglês Role playing game ou jogo de interpretação de papeis), com temas históricos como a revolução industrial e segunda guerra mundial, cheios de enigmas, criptografias e mistérios para serem resolvidos.

“Foi muito legal o desenvolvimento das atividades, a maior parte das coisas fomos nós alunos que colocamos a mão na massa para fazer. Desenvolveu nossa criatividade e um conhecimento diversificado sobre todas as matérias” declara o aluno do 8º ano, Lucas Cheven. “Até quem achava algumas matérias chatas, criou interesse para participar” complementa a aluna Glenda Almeida, do 8º ano da escola.